sábado, 21 de dezembro de 2013

Cult em Cartaz 1: MANITU - O ESPÍRITO DO MAL




Dirigido por William Girdler (1947-1978), diretor de filmes de terror como "Asylum of Satan" (1972); "Abby" (1974) ;"Grizzly" (Grizzly, A Fera Assassina,1976) e "Day of the Animals" (Animais em Fúria, 1977): "The Manitou" (Manitu- O Espírito do Mal, 1978) foi realizado em uma ano recheado de ótimos cult-movies do gênero como "Halloween"; "Attack of the Killer Tomatoes"; "Magic"; "Blue Sunshine"; "The Fury"; "Patrick" e os brasileiros "Ninfas Diabólicas"; "As Filhas do Fogo" e "Delírios de um Anormal".
Nem sempre lembrado pelos fãs do gênero, é uma incrível mistura de lendas dos índios norte-americanos, suspense, terror e trash.



Baseado no livro de Graham Masterton, foi roteirizado por Girdler e os co-produtores e atores Jon Cedar e Paul Mantee. Conta a história de Karen Tandy (Susan Strasberg), uma mulher de 28 anos que descobre que está com um estranho tumor trás de seu pescoço.



 Examinada por uma dupla de médicos (Cedar e Mantee), fica ainda mais apreensiva quando descobre que o tumor se assemelha a um feto humano de três meses. Ao encontrar o velho amigo (e antigo namorado) Harry Erskine (Tony Curtis, sempre canastrão) conta-lhe seus temores. Erskine é um médium meio charlatão, mas ao ouvir um estranho murmúrio que parte do pescoço de Karen (e que parece dizer "Pana Wichee Salitu!) passa a investigar o mistério.



Karen sofre uma cirurgia, mas o Dr. Hughes (Cedar) é que é possuído por uma estranha força e acaba cortando sua própria mão esquerda com um bisturi. 
Outros fenômenos acontecem e Erskine descobre que o termo "Pana Wichee Salitu" pertence a tribo indígena Piscakawa, extinta há mais de 400 anos e que significa "Minha morte prediz meu retorno". Ele viaja a Dakota do Sul em busca da ajuda do curandeiro/feiticeiro John Singing Rock (Michael Ansara), e ao voltarem o tumor de Karen já ocupara toda as suas costas. 



"Pedra Cantante" descobre que a doença é na verdade a reencarnação de Misquamacus, o maior feiticeiro índio de todos os tempos e que está para renascer.



Ao som da ótima trilha sonora de Lalo Schifrin (mesclado com trechos de músicas tribais), Misquamacus, "O Grande Ancião" rasga a carne de Karen e emerge com a forma de... um anão-deformado (Felix Silla, de "The Brood" e o atrapalhado robot Twiki da série de TV "Buck Rogers") !!!






O monstrinho passa a se vingar de todos os que tentaram impedi-lo e Singing Rock apela para a força do "Manitu do Amor" para despachar o intruso sobrenatural. Em uma cena repleta de psicodelia, Susan Starsberg flutua de topless em sua cama pelo espaço...




Girdler, que sempre fizera filmes com orçamentos apertados, conseguiu realizar seu filme mais ambicioso, mas não conseguiu vê-lo fazendo sucesso nos cinemas: morreu em um acidente de helicóptero enquanto estudava locações para um novo filme, alguns meses antes da estreia de "Manitu"...



"The Manitou" conta com efeitos especiais de maquiagem do mestre Tom Burman e um elenco de estrelas convidadas como Stella Stevens, Ann Sothern e o sempre divertido Burgess Meredith.







Boa Diversão e cuidado com o MISQUAMACUS!!!!!!!

domingo, 8 de dezembro de 2013

O Devorador de Cérebros!



Um Clássico Trash, divertido, criativo e muito comentado, o terror mexicano "El Barón del Terror" (1961) de Chano Urueta; é uma experiência quase surreal em matéria de cinema fantástico.



Vamos a história...Em 1661, o provável feiticeiro Barão Vitelius d'Estera (Abel Salazar, ator e produtor e um dos ícones do gênero no México) é queimado na fogueira pela Inquisição. Antes de desaparecer em meio as chamas, ele amaldiçoa seus carrascos e descendentes. 



300 anos depois, um cometa misterioso passa perto da Terra e um meteoro (!?!?) de formato estranho caí próximo ao local destes acontecimentos. Vitelius volta com a forma de um monstro muito estranho, quase alienígena, ("Eram os Feiticeiros Astronautas?") para cometer sua vingança.



 O Barão (recuperando sua forma humana) que havia perdido a fortuna para a inquisição, rouba um banco e se estabelece com pompa na localidade e oferece uma festa para as figuras ilustre locais. Entre eles, as vítimas que procura. Logo, o pacato local passa a ser alvo de diversos crimes estranhos: pessoas (geralmente mulheres) aparecem mortas com estranhas marcas de furos na cabeça e sem massa encefálica e os descendentes dos inquisidores são mortos de formas variadas. 




O Barão, abusando de seus poderes (hipnotismo, teletransporte, invisibilidade, transmutação, etc.) se alimenta de cérebros humanos utilizando sua enorme, bifurcada e fálica língua (de sua forma "extraterrestre") para sugar seu alimento. Ele ainda guarda alguns cérebros em uma grande jarra e de tempos em tempos, faz um aperitivo com a iguaria utilizando uma colher!



Além disto, ele é um grande garanhão e adora tirar uma "lasquinha" de suas vítimas femininas, hipnotizadas com seu olhar "brilhante". Antes que ele possa se apossar (de todas as formas) da heroína do filme (Rosa Maria Gallardo), uma dupla de policiais despacha o monstro utilizando lança-chamas (que deveria ser uma arma comum da polícia mexicana da época!).





O elenco é um belo apanhado de figuras ilustres do gênero no México. Além de Salazar, um dos descendentes é vivido por Germán Robles (vampiro oficial em muitos filmes da época), que é obrigado via hipnose a assistir o "chupa-cérebros" sugar a sua filha, antes de ser morto.



                                   (Germán Robles)

E temos ainda a participação da bela Ariadna Welter (Scream Queen mexicana, aqui uma garota que se oferece ao Barão em um bar e sucumbe a língua do monstro) e dos famosos diretores do gênero René Cardona (inquisidor e uma das vítimas) e Federico Curiel (um dos policiais) !



A produção é um caso a parte: Uma bela fotografia e referências explicitas ao clássico italiano "La Maschera del Demonio" (1960 de Mario Bava). A economia no orçamento forçaram o uso abusivo de back projection (quase todos muito toscos!) e da mansão de Vitelius só é mostrada a sala principal (bom cenário calcado nos filmes da Universal). O monstro...ahh...o monstro!! 



Uma das figuras mais bizarras criadas no cinema em todos os tempos (maquiagem de Juan Muñoz Ravelo), com sua cabeça pulsante, nariz e orelhas enormes e a já citada perigosa língua. Suas mãos também seguem o mesmo padrão, dois dedos/tentáculos com ventosas nas pontas!







Lançado nos Estados Unidos como "The Brainiac" (em 1962), "El Barón" se transformou em um filme cultuado e reprisado em drive-ins, sessões da meia noite e canais de TV, possuindo um status ao nível de "Plan 9 From Outer Space" e outros clássicos do Trash! Engraçado e por vezes assustador (para os padrões da época), é um ótimo programa para quem tem apetite por antigos monstros exóticos ou...cérebros humanos!!!








domingo, 1 de dezembro de 2013