sábado, 25 de março de 2017

Supermarionation & Além : Parte 3


Com o cancelamento da série "Thunderbirds", Gerry Anderson e a equipe da Century 21 Productions partiram para uma nova e ambiciosa empreitada : "Captain Scarlet and the Mysterons" (Capitão Escarlate, 1967-1968); 32 episódios de 25 minutos.




No ano de 2068, uma equipe de exploradores da organização Spectrum destrói uma base marciana dos Mysterons. Estes alienígenas era na verdade supercomputadores que formavam uma consciência coletiva e possuíam controle parcial sobre a matéria...




Eles usam o seu poder de "inverter a matéria" para reconstruir o seu complexo e declaram guerra ao planeta Terra devido à agressão injustificada. Os Mysterons passam a assassinar humanos e a duplica-los em clones sob o seu controle. O agente da Spectrum, Capitão Escarlate, é morto e duplicado quando tenta proteger o Presidente Mundial de um atentado marciano. Mas, o clone acaba saindo do controle dos Mysterons, restaura sua consciência, e descobre que é literalmente indestrutível e imortal...



...assim, o Capitão Escarlate sofre quedas mortais, enfrenta explosões , leva tiros, etc. voltando rapidamente a sua boa forma graças ao seu "retro-metabolismo"...



A Spectrum conta com carros futuristas pilotados por seus agentes com nome de cores (o Capitão Black é um clone infiltrado e trabalha para os alienígenas). De suas bases aéreas suspensas no céu saem as aeronaves chamadas "Anjos" (Angels Interceptors), pilotadas por mulheres.







Comparada com as outras séries de Anderson, Capitão Escarlate é mais sombria, violenta e com pouco humor. Acompanhando os tempos, a série também apresentou personagens femininos mais atuantes e um herói negro ( o Capitão Green).



Com o advento de componentes eletrônicos miniaturizados , um novo tipo de boneco foi projetado com mecanismos de controle no peito, conectado à boca por hastes estreitas através do pescoço. Assim, as marionetes passaram a ter proporções mais realistas e menos caricaturais, os movimentos labiais ficaram mínimos, mas com maior sincronia.

A série foi exibida com sucesso na Inglaterra, Estados Unidos e diversos países. No Brasil, ela estreou em 1969 na TV Bandeirantes, e era exibida aos sábados às 19 horas. 

Depois de um show mais "adulto", Gerry concebeu uma série voltada ao público infanto-juvenil: "Joe 90" (1968-1969), 30 episódios de 25 minutos.




Joe McClaine é um garoto de 9 anos filho do cientista Professor Ian McClaine. O Professor utiliza um super computador e um programa chamado BIG RAT (no Brasil: "Tremendão" !?!) para gravar e transferir impulsos cerebrais. 




O pequeno Joe é o agente secreto Joe 90, que recebe periodicamente o conhecimento e habilidades especiais de outras pessoas, sendo "programado" para trabalhar como cirurgião, piloto de testes, etc., dependendo da missão que é incumbido pelo W.I.N. (World Intelligence Network).










Apesar da intenção original da série, Joe 90 seria imprópria para menores nos dias de hoje. O menino é cobaia de seu pai adotivo, trabalha para uma agência do governo, passa por perigos incontáveis, faz atividades profissionais sem formação, etc. 




No Brasil a série foi exibida inicialmente pela antiga TV Record no fim das tardes de segundas-feiras. 

A última série realizada em Supermarionation foi a bizarra "The Secret Service" (Serviço Secreto, 1969), 13 episódios de 25 minutos.


O velho padre Stanley e o jardineiro de sua paróquia, Matthew, eram agentes secretos da B.I.S.H.O.P. (British Intelligence Secret Headquarters Operation Priest), combatendo criminosos e terroristas estrangeiros...




O padre usava a máquina Minimiser para encolher seu assistente Matthew. Este, era colocado confortavelmente numa maleta e levado para diversos locais onde se queria fazer investigações secretas. 



Depois de realizada a missão, Matthew voltava ao seu tamanho normal enquanto que o padre retornava à tranquilidade de suas missas.



 Secret Service introduziu o uso de mais cenas externas e de um ator de verdade que aparecia também como o Padre Stanley Unwin. Este ator aparecia sempre em que tomadas de longe e de maior movimentação eram necessárias, ao contrário da marionete, usada para closes do herói religioso.



A série apostava numa fórmula contrária a todas as outras: sem explosões, sem alienígenas... desastres... veículos futuristas (pelo contrário, o padre dirigia um velho calhambeque Ford amarelo!)...e foi um retumbante fracasso!
Na realidade, se fosse produzida de forma "convencional", com atores, talvez encontrasse seu público. 

Garry Anderson sempre quis produzir filmes e séries "live-action", mas, primeiro o orçamento, depois o sucesso de seu revolucionário sistema "Supermarionation", o prenderam as fantoches durante anos. Agora ele sabia que o público já estava cansado ( e ele também!) da fórmula...

CONTINUA.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Supermarionation & Além : Parte 2 - Thunderbirds Em Ação!



Por volta de 1963, mesmo antes da série "Stingray" ser encerrada, Anderson enfrentava o dilema de criar algo novo para seu próximo programa. Leu então uma notícia sobre o desabamento de uma mina em uma pequena cidade alemã, aonde dezenas de pessoas morreram por falta de equipamentos para resgata-las. Resolveu criar uma série explorando o tema resgate e salvamento. Nos seus primeiros esboços a série se chamaria " Internacional Rescue", mas ele nunca se esqueceu de seu irmão que morreu na guerra, e que havia sido treinado em uma base aérea americana chamada "Thunderbird Fields". 



Anderson começou a filmar "Thunderbirds" em 1964. Para o produtor Lew Grade, as vendas internacionais - particularmente para o mercado dos EUA - eram uma preocupação fundamental. Assim, Thunderbirds se concentrou nos irmãos Tracy, com nomes emprestados dos astronautas norte-americanos Scott Carpenter, Virgil Grissom, Alan Shepard, John Glenn e Gordon Cooper. 




Scott e os outros eram membros da equipe Resgate Internacional, baseada em uma ilha do Pacífico Sul, e montada por seu pai, o ex-astronauta  e magnata Jeff Tracy. Assim, os irmãos, com o seu lema "Thunderbirds are go!", lutam contra incêndios em minas e campos de petróleo; enfrentam vilões em Monte Carlo; resgatam astronautas perdidos no espaço; lutam contra crocodilos gigantes, e contra a constante ameaça do vilão "The Hood", um misterioso gênio do mal que opera em um Templo malaio na selva, e quer os segredos tecnológicos da equipe. 




Em Londres eles contam com o apoio da aristocrática loira Lady Penelope (modelada e com a voz de  Sylvia Anderson) e Parker, seu fiel mordomo-e-motorista ( de um Rolls-Royce cor-de-rosa do século 21).



Na ilha também trabalham o mordomo oriental chamado Kirano, e sua bela filha chamada Tin-Tin, secretária de Jeff, que a considera como uma filha, e é apaixonada por Alan...



...além do gênio científico conhecido como Brains. O engenheiro Brains foi o responsável pelo desenho e construção da avançada base e da série de veículos futuristas conhecidos como Thunderbirds.


Os veículos são os verdadeiros astros da série:




* Thunderbird 1 : O foguete líder tripulado por Scott. Sempre o primeiro a chegar no local dos acidentes. Podia voar tanto na vertical quanto na horizontal.





* Thunderbird 2 : A nave de transporte pilotada por Virgil. O gigante dos Thunderbirds, no seu interior eram transportados diversos equipamentos sofisticados como - O veículo de resgate, uma escavadeira gigante, o Mole (uma furadeira para penetrar no solo), um guindaste móvel, um canhão Laser móvel, um tanque corta-fogo,  as Aeromotos , e muitos outros... 






* Thunderbird 3 : O foguete espacial pilotado por Alan. Utilizado nos resgates espaciais, e como transporte até a estação orbital (ver Thunderbird 5).






* Thunderbird 4 : O veloz mini-submarino pilotado por Gordon. Utilizado para as operações no mar. Saía diretamente da ilha, ou era transportado pelo Thunderbird 2.






* Thunderbird 5 : A estação espacial do Resgate Internacional, operada por John Tracy. Ficava orbitando o planeta e vigiando possíveis desastres ao redor do mundo. 



A Ilha Tracy era um espetáculo à parte. Uma mansão com piscina e palmeiras escondia no seu interior as naves, que saiam de seus hangares através de passagens secretas ao som do "Thunderbirds Theme".








A produção da série foi a mais sofisticada, cara e trabalhosa de todos os shows de Anderson. A equipe de produção era enorme, e os efeitos especiais de Derek Meddings e Brian Johnson muito detalhados e elogiados.



A série foi um sucesso na Inglaterra e foi vendida para diversos países. No Brasil, "Thunderbirds" foi lançada em 1967 pela TV Record com o nome de "Invencíveis Royal", pois era patrocinada pelo Fermento Royal e aproveitava a sigla da equipe IR (International Rescue). 
Mas, as grandes redes de televisão norte-americana ( CBS, NBC e ABC) se recusaram a comprar a série, alegando que Lew Grade estava cobrando um preço muito alto pelos direitos. Sem o mercado norte-americano o custo de produção ficou demasiado caro e assim Lew Grade achou melhor suspender a série.
O cancelamento do programa pegou Gerry de surpresa; a produtora AP Films agora se chamava Century 21 Production, e englobava a Century 21 Merchandising, Century 21 Toys e Century 21 Music... 
 Quantias enormes de dinheiro haviam sido investidas na comercialização de produtos que iam de brinquedos & lancheiras, roupas, até artigos de higiene, louças, roupas de cama, móveis, ornamentos, papelaria e alimentos.

"Thunderbirds" (1965-1966) teve 32 episódios de 50 minutos, mas renderia muito mais. A solução para uma continuidade, veio de uma proposta da produtora MGM, para a realização de um longa metragem para o cinema. Assim nasceu "Thunderbirds Are Go" (1966) de David Lane, com roteiro e co-produção de Gerry e Sylvia Anderson.


A equipe do Resgate Internacional é chamada para proteger o lançamento da nave espacial Zero X, que em sua primeira tentativa de decolagem rumo ao planeta Marte, havia sofrido sabotagem (obra do vilão The Hood, é claro...).





A nova missão é um sucesso, e a tripulação do Zero X consegue chegar ao planeta Marte...



...mas o planeta vermelho é habitado por monstruosas serpentes-ciclopes, que lançam bolas de fogo...




Os exploradores do Zero X são obrigados a efetuar uma partida prematura da superfície marciana. Quando voltam a entrar na atmosfera terrestre, problemas técnicos ameaçam o pouso e o Zero X pode cair sobre a Florida. O Resgate Internacional novamente entra em ação e Alan Tracy é colocado a bordo da nave em queda para salvar os tripulantes.




Apesar da expectativa, o longa metragem dos Thunderbirds fracassou nas bilheterias.  O casamento dos Anderson andava em uma crise crescente, e a empresa deles sofreu bastante com o cancelamento da série e o fracasso do filme. Em entrevistas posteriores, Gerry Anderson disse que considerava seriamente o divórcio nesta época, mas isso foi interrompido quando Sylvia anunciou que estava grávida. O filho deles, Gerry Anderson Jr., nasceu em julho de 1967. 

Ainda foi produzido e lançado, "Thunderbird 6" (1968) de David Lane...








Jeff Tracy pede ao inventor Brains um novo veículo para complementar a frota de Thunderbirds. Brains cria diversos modelos, mas todos são rejeitados. 






Enquanto isto, Alan, Tin-Tin, Lady Penelope e Parker estão a bordo do novo e luxuoso avião Skyship One em sua viagem inaugural. 



Um novo vilão chamado Black Phantom, tem um plano para sequestrar o avião. De dentro da aeronave, e de fora, a equipe do Resgate Internacional se esforça para impedir  o crime e um desastre.




 Quem a caba salvando o dia é Brains, pilotando um antigo biplano "Tiger Mouth", que no final acaba virando oficialmente o Thunderbird 6!



A nova aventura é bem mais modesta em nível de produção, e tende mais ao humor, colocando o nerd e gago gênio do IR no centro da ação. A bilheteria ao redor do mundo foi ainda mais baixa do que "Thunderbirds Are GO", e a família Tracy foi aposentada...


CONTINUA...